Black Friday 2016

O que esperar da Black Friday em 2016.

O Google apresentou uma pesquisa sobre o Black Friday no Brasil e os números indicam que, mesmo com a queda geral no consumo, as vendas continuam crescendo nas datas especiais.

 

Com faturamento de R$ 1,6 bilhão em 2015, o curto período da Black Friday foi mais poderoso para alavancar as vendas do que as duas semanas que antecederam o Dia das Mães, tradicionalmente a segunda melhor data do varejo brasileiro.

 

O que esperar da Black Friday em 2016?

 

Este ano, mesmo com a crise e até por causa dela, o mercado está otimista com a Black Friday. Os números indicam que, mesmo com a queda geral no consumo, as vendas continuam crescendo nas datas especiais: aumentaram 8% no Dia das Mães deste ano, 12% no Dia dos Pais e 16% no Dia dos Namorados com a Black Friday não será diferente.

 

Além disso, as buscas no Google indicam que o consumidor está se planejando cada vez mais para as compras, com uma crescente preocupação com preço: as buscas por este critério aumentam cerca de 60% ano a ano.

 

Pesquisa exclusiva – O comportamento do consumidor online na Black Friday


O Google divulga pesquisa inédita sobre o comportamento do consumidor brasileiro na Black Friday, encomendada pela empresa e realizada pela Provokers, que ouviu quase 800 brasileiros, de 18 a 54 anos, das classes A, B e C, nas cinco regiões do país, durante o mês de agosto.

 

Algumas das principais conclusões da pesquisa:

 

- No Brasil, os consumidores online já somam quase 40 milhões , três quartos dos quais já participaram de alguma edição da Black Friday. A adesão é crescente.
 
- Em 2012, o percentual de consumidores online que comprou na Black Friday foi de 22%, enquanto em 2015, foi de 64%. Em termos de buscas, três em cada quatro consumidores online fizeram pesquisas na Black Friday de 2015.
 
- A expectativa com relação à próxima Black Friday 2016 é grande: três em cada quatro consumidores online se dizem engajados ou animados com a edição deste ano.
 
- O gasto médio do consumidor em 2015 foi de R$ 1.098, o dobro das outras datas sazonais. Quase um quarto dos compradores (23%) teve um gasto médio de R$ 3.041; a maioria (54%) gastou R$ 688,70; e 23% gastou menos de R$ 117,70.
 
- Os fatores mais considerados na hora da decisão da compra são: preço (42%), possibilidades de parcelamento (21%) e custo do frete (17%).
 
- Quando esses três são similares, 63% dos consumidores optam pelo site mais confiável para colocar seus dados pessoais, o que pode ser explicado pelo gasto médio alto.
 
- A forma de pagamento mais usada é, de longe, o cartão de crédito: 61% opta por pagar com ele parcelado e 33% a vista. A seguir vem o pagamento em dinheiro (32%), boleto bancário (26%), cartão de débito (18%), PayPal e similares (16%) e débito (12%).
 
- Com o consumidor se planejando mais para comprar, a Black Friday deste ano deve crescer ainda mais nos itens de alto gasto médio. Os consumidores que pretendem comprar eletroeletrônicos e eletrodomésticos foram os que mais disseram que pretendem esperar a Black Friday: smartphone (57% pretendem aguardar), informática (58%), TV (55%), Áudio/Vídeo (66%), eletrodomésticos (54%) e eletroportáteis (51%).
 
- A Black Friday, ao invés do Natal, é uma compra pessoal: mais da metade (53%) compra apenas para si mesmo . Os demais, 19% compra para presentear e 27% para ambos, antecipando parte das compras de natal.

 

Insights Google – A intenção de compra na Black Friday

 

Além desses dados, o Google também divulgou uma pesquisa interna com as buscas de itens e marcas na data. Esses dados refletem o comportamento do consumidor online e offline, além do maior planejamento e preocupação pelo preço.

 

- O tamanho e a importância da Black Friday, aparece no volume das buscas do Google: novembro é o responsável pela maior concentração de várias categorias no ano.
 
- Em 2015, o destaque foi: Moda (12% a 15% das buscas do ano na categoria), Informática (12%), TV (13%) e Eletrodomésticos (13%). As buscas se concentram ainda mais na semana da promoção: TV (41% das buscas de novembro), Eletrodoméstico (35% a 40%), Informática (35%), Moda (30% a 35%), Smartphones (36%).
 
- O segmento de smartphone , que foi responsável por R$ 360 milhões em vendas apenas na sexta-feira da última edição da Black Friday, registrou seu maior número de buscas no mês da promoção, com 11%.
 
- A Black Friday é o dia do ano com mais buscas por passagens aéreas e pelos programas de pontos como smiles, multiplus, etc. Só em 2015, mais de 50 empresas de turismo aderiram à data.
 
- A compra de pneus é cada vez mais influenciada pelo digital: 91% dos consumidores pesquisam online antes de comprar e novembro é o mês de mais buscas nessa categoria (10% do ano).
 
- Dois terços deles, porém, não sabe que marca comprar. As marcas mais buscadas na Black Friday de 2015 foram: Pirelli, Michelin, Goodyear, Firestone, Continental.
 
- O mercado de Beleza , que tradicionalmente é forte no offline, ganhou força nas vendas online: um incremento de 165% entre 2010 e 2015. As buscas por esses itens na semana da Black Friday representaram 28% do total do mês, com destaque nas buscas para as Aussie, Boticário, MAC, Maybelline e Quem Disse, Berenice?.
 
- As operadoras também tiveram seu maior pico de buscas (tanto por lojas físicas como onlines) na Black Friday, superando em 37% o segundo maior pico de buscas do ano (Cyber Monday).
 
- As buscas também mostram que o interesse do consumidor aparece tanto nos dias que antecedem quanto dias após a sexta-feira da Black Friday. A data abre a temporada de intenção de compra, que se mantém até o natal.

 

A pergunta agora é: sua armazenagem está organizada e sua logística preparada para aproveitar esta grande oportunidade de vendas?

Precisando projetar e organizar sua armazenagem? Você já sabe a resposta: PROL!

 
 
Fonte: Exame

03 Tipos de Furtos em Lojas

3 Tipos de Furtos Que Podem Acontecer Na Sua Loja

Estar atento ao risco de furtos na loja nem sempre é fácil. Mas existem situações que podem ser consideradas suspeitas. Apesar disso, é preciso ter cuidado na abordagem, para evitar possíveis processos de consumidores contra a empresa.

 

Veja a seguir três situações identificadas nas lojas por Eduardo Batoni, especialista em prevenção e controle de quebras e perdas:

 

1. É preciso ficar atento a pessoas que, num dia de calor, entrem na loja com casacos ou paletós sobre os ombros, sem vesti-los. Segundo Batoni, o fato de estar quente é o que costuma levantar suspeita. “Há casos de pessoas mal-intencionadas que costuram a manga do paletó e colocam nos braços da roupa produtos furtados”, afirma ele.

 

2. Outra situação é chamada pelo especialista de “gêmeos idênticos”. Consiste em duas pessoas com roupas e mochilas iguais entrarem na loja em momentos diferentes. “Elas já estudaram o supermercado previamente e sabem onde as câmeras de segurança estão posicionadas”, explica Batoni. Uma delas furta vários produtos e os coloca na mochila. Em algum ponto onde não há câmeras, ela se encontra com o parceiro vestido igual e troca a mochila. “A segurança só pode abordar o cliente depois que ele passar pelo checkout, pois sempre há a possibilidade de a pessoa dizer que ia pagar pelo produto. Quando isso é feito, nada é encontrado dentro da mochila. Nesse meio tempo, o parceiro com os produtos furtados sai da loja sem problemas.”

 

3. Batoni afirma ainda que já vivenciou situação em que algum funcionário da confeitaria participa de um esquema de furtos de mercadoria. “Ele pega um produto de maior valor, como um celular, coloca dentro de um bolo, por exemplo. O funcionário sinaliza a embalagem e, quando o item chega na área de vendas, a pessoa com quem está de conluio pega o bolo e vai para o caixa”, conta o especialista.

 

Fique atento para evitar prejuízos, mas atenção: aja corretamente para não ser alvo de processos.

 
 
Fonte: Supermercado Moderno

intencao-de-consumo-famílias

Intenção de consumo das famílias teve aumento de 4,1% em setembro.

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), cresceu 4,1% na passagem de agosto para setembro deste ano.

 

O índice ficou em 72,1 pontos, em uma escala de 0 a 200. Segundo a escala da CNC, quando a ICF fica abaixo de 100 pontos, os consumidores estão insatisfeitos com a situação atual da economia.

 

Na comparação com agosto deste ano, houve alta nos sete componentes da ICF, com destaque para perspectiva de consumo (8,5%) e momento para a compra de bens duráveis (6,3%). Os demais componentes tiveram as seguintes altas: nível de consumo atual (4,9%), perspectiva profissional (3,6%), renda atual (3,6%), emprego atual (2,5%) e compra a prazo (2,2%).

 

Em relação a setembro de 2015, por outro lado, houve queda em todos os indicadores: nível de consumo atual (-22,5%), compra a prazo (-16,5%), momento para compra de bens duráveis (-15,1%), renda atual (-10,7%), perspectiva de consumo (-8,6%), emprego atual (-2%) e perspectiva profissional (-1,3%).

 

De acordo com a CNC, “o volume de vendas do comércio varejista brasileiro no conceito restrito recuou 0,3% entre os meses de junho e julho, de acordo com os dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda do dólar nos três meses terminados em julho (-8,6%) e a reação da confiança dos consumidores, têm viabilizado perdas menores nos últimos meses”, informa a nota de análise dos resultados da pesquisa.

 
 

Fonte: EBC Agência Brasil

Dia das criancas-pesquisa comércio brasileiro

Dia das Crianças Deve Movimentar R$ 7,3 Bilhões no Comércio Brasileiro.

O comércio brasileiro deve movimentar uma receita em torno de R$ 7,3 bilhões com as vendas relacionadas ao Dia das Crianças. É o que revela pesquisa nacional Fecomércio RJ/Ipsos.

 

De acordo com o levantamento, 40% dos consumidores brasileiros pretendem adquirir algum produto na data comemorativa.

 

Como já é tradição no Dia das Crianças, entre as opções preferidas de presente, 59% responderam que darão brinquedos, 27% roupas, 7% calçados e 3% bicicletas. Neste ano, o tíquete médio para a compra de todos os presentes está em torno de R$ 118,87. Quando o gasto médio é dividido por gêneros, este ano, os homens serão um pouco mais generosos, com intenção de gastar, em média, R$ 125,37. As mulheres, por sua vez, afirmaram que têm a intenção de gastar cerca de R$ 113,35.

 

Pagamentos à vista

 

De olho na conjuntura econômica, cerca de 7 em cada 10 consumidores brasileiros (71%) informaram que pretendem adquirir os produtos para a data comemorativa por meio do pagamento à vista. O percentual continua praticamente estável quando comparado ao mesmo período do ano passado, quando 73% dos brasileiros tinham esta intenção.

 

A pesquisa foi realizada pela Fecomércio RJ/Ipsos, no período de 30 de julho a 9 de agosto de 2016, com amostra de 1.200 entrevistados no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Vitória, Florianópolis, Salvador, Recife e em mais 65 municípios brasileiros.

 

Prepara-se para vender mais no Dia das Crianças

 

Dicas do Sebrae/RS para as empresas que ainda não se prepararam para aproveitar a data, comemorada em 12 de outubro.
As lojas que ainda não se prepararam para receber pais, tios, padrinhos e também as crianças, que vão pessoalmente escolher os seus presentes, ainda têm tempo para se prepararem.

 

Criar um ambiente convidativo com foco nas crianças - Carrocinha de pipoca, guloseimas, balões coloridos, espaço na loja para desenhos e pinturas, tatuagens infantis. Todas essas atrações chamam a atenção das crianças e tornam-se diferenciais na hora de escolher o estabelecimento para realizar as compras.
Para atrair ainda mais os pequenos, é interessante que a equipe de vendas esteja usando uniformes lúdicos como boné colorido, avental ou camiseta.

 

Outra sugestão é colocar adesivos antiderrapantes no chão com desafios lúdicos como, por exemplo, jogos de tabuleiro, caça ao tesouro, amarelinha, trilhas que estimulem a curiosidade.
Segundo a técnica, esta é uma forma de fazer, também, o cliente conhecer a loja inteira e o que ela tem para oferecer.
Basta ser criativo e lembrar: quem paga são os adultos, mas as crianças, em grande parte, são as decisoras finais da compra.

 

Seguem abaixo outras dicas que podem ajudar o empreendedor a vender mais no Dia das Crianças:
 

• Mantenha o cadastro dos clientes atualizado (nome, telefone, e-mail);
 
• Avise o cliente (pode ser e-mail marketing; mensagem SMS, Rede Social) que a loja está pronta para recebê-lo e ofereça dicas de presentes;
 
• Promova sorteios de brindes: jogos, livros, caça-palavras, cubo mágico. Dê preferência para brindes educativos;
 
• Busque vendas futuras. Não foque somente no “aqui e agora”;
 
• Agrade os adultos pais e os adultos que não têm filhos, pois podem presentear afilhados, sobrinhos e amigos;
 
• Ofereça um excelente atendimento, olhe nos olhos do cliente, fale sorrindo, utilize suas experiências: "meu afilhado levou este produto e gostou muito";
 
• Disponibilize condições atraentes de pagamento;
 
• Conheça o produto – muitas pessoas que não tem filhos saem à procura de presentes para crianças. O atendente deve perguntar idade da criança, quais são os seus hobbies, se gosta de ler, se é discreto, se tem brinquedos eletrônicos, ou seja, fazer perguntas que possam ajudar o adulto a fazer as escolhas;
 
• Estimule no atendente as vendas adicionais: Se o cliente vai levar um kit de lápis de cor, ofereça um estojo; se vai levar uma roupa ofereça uma peça adicional, um acessório, por exemplo;
 
• Faça um pós-venda. Os clientes se surpreendem ao receber uma ligação cujo objetivo é apenas perguntar se sentiu-se bem atendido e se o produto ou o serviço atenderam sua expectativa.
 
• Reveja a disposição, vitrine, exposição dos seus produtos. Para isso, você já sabe...pode contar com a ajuda da Prol. Solicite um orçamento e boas vendas!

 
 
Fontes: Portal Eletrolar e Sebrae/RS

Fidelidade

Crescem cadastros em programas de fidelidade.

A quantidade de cadastros em programas de fidelidade em cinco das empresas associadas (Dotz, Grupo LTM, Multiplus, Netpoints e Smiles) aumentou 17,5% nos últimos doze meses, alcançando 74,6 milhões no final do segundo trimestre. Os dados são da ABEMF (Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização) e são referentes ao segundo trimestre de 2016.

 

De acordo com o levantamento, a quantidade de pontos/milhas acumulados ficou em 39,7 bilhões, 1% menor que o registrado no primeiro trimestre de 2016. Os resgatados foram 33,1 bilhões de pontos/milhas, queda de 4,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. A volatilidade do dólar é o principal fator que impacta diretamente no acúmulo e resgate de pontos/milhas.

 

“Sentimos maior engajamento dos consumidores em utilizar os programas de fidelidade. O crescimento dos cadastros exemplifica isso, claramente, e demonstra mais popularidade por parte dos programas. A queda dos pontos emitidos e trocados, no entanto, é justificada pela alta do dólar, já que os pontos considerados neste trimestre são reflexo do que foi repassado pelos bancos com uma taxa cambial maior, mas, com o dólar retornando sua estabilidade, a expectativa é que esses indicadores voltem a aumentar”, ressalta Roberto Medeiros, presidente da Associação.

 

Resgate no varejo

 

Na faixa até R$ 50, o item mais procurado foi o vale presente. Entre R$ 50 e R$ 100, ficou em primeiro lugar o crédito para combustível. Na faixa acima de R$ 100, o pagamento de contas foi o serviço mais resgatado “Isso demonstra que os consumidores têm utilizado os pontos/milhas não somente para viajar, mas para complementar os gastos do dia a dia”, conclui Roberto Medeiros.

 

Outro dado que comprova o quanto o consumidor está vendo vantagem nos pontos/milhas, é o crescimento do acúmulo no varejo. Os associados da ABEMF, juntos, levantam que, apesar da maior parte do resgate estar direcionado ao aéreo, apenas 11,7% dos pontos/milhas acumulados são referentes à emissão de passagens. Os 88,3% restantes são acúmulos feitos no varejo e, principalmente, por meio do cartão de crédito, comprovando o valor que o consumidor vê em acumular por outras frentes para viajar mais.

 

 

Fonte: Exame

Organizar Oficina e Estoque

Dicas de como Organizar Oficina Mecânica.

Uma hora você terá que organizar sua oficina mecânica e que tal você começar agora seguindo os conselhos dos dois analistas industriais de topo, James Womack e Daniel Jones a partir do livro de referência “A Máquina que Mudou o Mundo”, eles falam sobre os passos que a Toyota levou a deixar a sua concorrência para trás.


O principal ideal que eles seguiam era chamado de “produção enxuta”, e eles citam 10 regras que os gerentes de oficina podem usar e aplicar em seus negócios:
 
1 – Elimine todos os desperdícios de tempo.
 
2 – Minimize o excesso de peças no estoque.
 
3 – Maximizar o fluxo de produção.
 
4 – Priorizar a produção de solicitações de pedidos dos clientes.
 
5 – Conheça os requisitos do cliente.
 
6 – Sempre fazer certo da primeira vez.
 
7 – Capacitar os trabalhadores a encontrar problemas.
 
8 – Design para a transição rápida.
 
9 – Parceria com fornecedores.
 
10 – Criar um sistema de melhoria contínua.
 
Armazenamento das peças é um assunto que somos especialistas e vamos dar algumas dicas extras e fundamentais que irão influenciar positivamente todo o processo da sua oficina.


Armazenar corretamente na sua oficina apenas uma reserva de peças e componentes de maior giro faz com que o serviço prestado ao seu cliente seja mais rápido e eficaz.
 
Em primeiro lugar, é preciso determinar o tamanho do seu estoque, e para isso deve-se considerar o fluxo de veículos da sua oficina e seu ramo de atuação. A preocupação atual deve ser manter o estoque mínimo sem prejudicar o atendimento do cliente dentro do prazo estimulado.
 
O segundo passo importante é identificar as peças e armazená-las corretamente, seguindo os critérios de armazenamento do próprio fabricante. Isso garante a preservação da qualidade das peças e sua conservação.


Também é imprescindível manter as peças em um ambiente fechado, iluminado, limpo e organizado.
 
O que é importante no estoque de uma oficina?


- Organização


- Controle


- Vistoria Periódica


- Giro rápido
 
A Prol ajuda você ter vantagem no seu estoque, com a melhor qualidade do mercado em móveis de aço, e a estante ideal para autopeças com alta capacidade de carga.
 
Estantes de Aço - Prol
 
Também é válido reforçar que uma ferramenta essencial é o uso de um software, pois oferece infinitas possibilidades para a oficina, desde a área administrativa, o controle da quantidade das peças armazenadas, o que evita encalhar componentes de um determinado fabricante.
 
Uma vez que você e seus gerentes têm uma ideia de quais aspectos do seu negócio precisam de atenção, você vai precisar de priorizar e definir metas, aí então chegará numa organização perfeita.
 
Vamos começar agora? Boa Sorte!

07 Dicas para Melhorar a Logística

7 Dicas para Melhorar a Logística do seu Negócio.

Logística é sempre uma questão delicada, principalmente para as pequenas e médias empresas, por envolver altos custos, prazos e até mesmo perda de clientes. Para transpor esta barreira, é preciso um planejamento detalhado, além de ações efetivas para melhoria dos pontos críticos identificados.

 

É cada vez mais necessário que as empresas encontrem métodos para aumentar sua eficiência produtiva ou que desenvolvam alguma vantagem competitiva em relação a seus concorrentes, ou serão engolidas pelo mercado em pouco tempo.

 

Um modelo de gestão de cadeia de suprimentos deve incluir maneiras de aumentar o rendimento de todas as etapas logísticas que levam até a satisfação do cliente final.


São elas: planejamento do equilíbrio entre oferta e previsão de demanda; seleção e relacionamento com fornecedores; fabricação do produto; armazenagem do produto; entrega do produto; devolução do produto pelo cliente, caso necessário; e serviço de atendimento ao cliente.

 

Confira abaixo dicas sobre como otimizar alguns elementos da supply chain em sua empresa:

 

1. Agilidade e controle da linha de produção podem te ajudar a resolver problemas
 
Primeiro, é necessário que a organização tenha todos os seus processos mapeados, pois somente assim a gestão terá controle total de sua produção.


Neste processo, quanto mais números e informações você tem, mais fácil identificar fragilidades na sua supply chain.
Mantendo um bom acompanhamento do início ao fim, é possível até prever e agilizar a resolução de possíveis problemas.

 

2. Compartilhe seu sistema de gerenciamento da cadeia de suprimentos com os fornecedores

 

A falta de produtos em estoque é um problema para as organizações, mas o contrário — o excesso de produtos — também é prejudicial.


O excesso implica em maiores custos, e possivelmente maiores perdas (em especial para produtos perecíveis).
 
Compartilhar seus sistemas da cadeia de suprimentos com seus fornecedores pode acabar com esse problema, uma vez que eles devem produzir e entregar de acordo com seus números de controle, à medida que seus estoques forem atingindo níveis mais baixos.


Para que isso funcione de maneira eficiente, é preciso contar com a tecnologia, para que o fornecedor tenha acesso à sua base de dados.

 

3. Melhore suas previsões de demanda para evitar faltas e desperdícios

 

Não é uma tarefa fácil, mas também não é impossível. E melhor, sempre, é ter o time por dentro da logística te ajudando.


A princípio, o melhor método de se prever a demanda é olhar para o passado e analisar o histórico de vendas da empresa. Assim, se você quiser prever a demanda para o mês de setembro, verifique os números relativos ao mês de setembro do ano anterior, aplicando comparativos de crescimento dos períodos anteriores.
 
Com isso, chegamos até um primeiro rascunho de nossa projeção, que vai ganhando forma na medida em que outros fatores, como a flutuação do mercado e a possibilidade de imprevistos, são agregados a esta equação.

 

4. Identifique e se alie a parceiros inovadores e eficientes

 

Procure parceiros comerciais nos quais você enxerga capacidade inovadora, que demonstram potencial para lhe ajudar no desenvolvimento de novos processos ou que consigam de alguma forma contribuir para melhorar a eficiência no seu negócio.

 

5. Integre as equipes envolvidas na sua cadeia de suprimentos

 

Para uma boa gestão da cadeia de suprimentos, é importante a integração das projeções de vendas feitas no planejamento estratégico da organização a outras etapas, como o planejamento de operações e produção, e também as finanças.
 
O planejamento de operações, alinhado com as vendas, pode oferecer o melhor ponto de equilíbrio entre a demanda dos clientes e a capacidade produtiva da organização.

 

6. Use um único software de gestão para a cadeia de suprimentos

 

Via de regra, a escolha de um software é um dos pontos mais importantes para sua gestão. Pesquise e escolha um software completo, integrado e utilizável para todos os âmbitos da sua organização.


Utilizar poucos (preferencialmente um) softwares garante mais eficiência e agilidade nos processos, além de minimizar possíveis erros humanos e situações inesperadas.

 

7. Monitore o desempenho dos seus fornecedores

 

Seus fornecedores são seus parceiros de negócio, e muitas vezes (em especial caso você possua poucos ou apenas um fornecedor de dado produto), a falha de um fornecedor pode ser suficiente para empacar o fluxo da cadeia de suprimentos, lhe causar um rombo orçamentário ou o descontentamento de seus clientes.

 

 

Para que uma organização se mantenha no topo, ela precisa estar sempre atenta não somente ao seu ambiente interno, mas também a todos aqueles envolvidos de alguma forma em seu processo produtivo, fazendo as devidas adequações e inclusive substituições, quando necessário.

 

Pronto para deixar sua logística impecável? Coloque as dicas em prática e bons negócios!

Fonte: Uol Host / Exame

Adequação Estoque São Paulo.

Comércio de SP atinge nível adequado de estoques – 101,6 pontos.

Os estoques no comércio varejista da Região Metropolitana de São Paulo alcançaram em agosto níveis considerados como adequados pelo setor pela primeira vez desde julho de 2015, segundo índice divulgado pela FecomercioSP nesta segunda-feira (22/08).

 

O indicador de adequação dos estoques subiu 2,3 por cento em agosto ante julho, quarta alta seguida, para 101,6 pontos. Na comparação anual houve alta de 6,4 por cento, disse a entidade.
 
O Índice de Estoques (IE) capta a percepção dos comerciantes sobre o volume de mercadorias estocadas nas lojas e varia de zero (inadequação total) a 200 pontos (adequação total). A marca dos cem pontos é o limite entre inadequação e adequação.
 
"As expectativas para 2016 eram de fato negativas, mas vêm melhorando há quatro meses, fortalecendo o caminho para uma recuperação em 2017", afirmou a assessoria econômica da entidade.
 
Para ajustar seu sistema de armazenagem, e se adequar ao mercado, o planejamento, projeto e execução são também nosso serviço. A Prol conta com equipe especializada, com engenheiros e técnicos experientes, que projetam e executam todo tipo de estrutura de armazenagem.
 
Temos soluções completas de sistemas de armazenagem:
 
Armazenagem_3
 
• Porta-paletes Convencional




• Porta-paletes Picking:


- Plano de Madeira


- Plano de Aço




• Drive-in / Drive-thru




• Cantilever




• Mezanino




• Piso Metálico / Piso Cimentício




• Divisórias Industriais




• Bancadas / Escadas




• Acessórios para Porta-paletes:


- Protetor de colunas


- Guard-rail


- Porta-etiquetas aço / plástico

 
Armazenagem_1

 
"O resultado do índice em agosto aponta redução modesta dos excessivos estoques em um momento crucial para o varejo, quando se começa a pensar nas vendas de Natal", acrescentou.
 
Ainda de acordo com o levantamento, a proporção de empresários que consideram seus estoques adequados ultrapassou os 50 por cento também pela primeira vez desde julho de 2015, com essa cota em 50,5 por cento, alta de 0,8 ponto percentual ante julho e de 2,9 pontos frente a um ano antes.
 
A parcela que vê os estoques acima do adequado passou de 36,8 por cento em julho para 35,5 em agosto e a que diz estar com estoques baixos variou de 13,6 para 13,4 por cento no período.

Fonte: Exame

05 Insights Consumidores Latinos Americanos 2016_prol

5 insights sobre o consumidor na América Latina – Nielsen Brasil.

A Nielsen Brasil divulgou uma pesquisa de tendências de mercado na América Latina. Segundo o documento, em toda a região, há um crescimento acelerado dos formatos pequenos como lojas de desconto e conveniência. No Brasil, os supermercados pequenos e as lojas de conveniência cresceram 6% em 2015, enquanto que no México o canal de proximidade atingiu um crescimento de dois dígitos (+19%).

 

O desafio do crescimento para a América Latina continua, em 2015 a nossa economia desacelerou devido a fatores, tais como, os preços do petróleo, redução de exportações para a China, altos níveis de corrupção e desvalorização na maioria dos países, impactando a confiança do consumidor na região.

 

CONHEÇA OS CINCO PRINCIPAIS INSIGHTS SOBRE O CONSUMIDOR NA AMÉRICA LATINA:

 

01 - Necessidade de opções rápidas

 

Como populações urbanas crescem em toda a região, as alterações demográficas e estilo de vida estão tomando relevância. Atualmente, 77% da população vive em áreas urbanas e em 2050 deverá ser 85% da população.

 

O estilo de vida e hábitos de consumo mudam, uma variação estrutural está começando a surgir em como os consumidores compram e gastam seu dinheiro. Em toda a região, vemos um crescimento acelerado dos formatos pequenos como lojas de desconto e conveniência.


No Brasil por exemplo, os supermercados pequenos e as lojas de conveniência cresceram 6% em 2015, enquanto que no México o canal de proximidade atingiu um crescimento de dois dígitos (+19%).

 

02 - E-commerce, uma realidade na América Latina
 
O crescimento nos últimos anos da população latino-americana com acesso à Internet (57%), a posse de um smartphone e o aumento da oferta de aplicativos para consumidores online (Amazon, Linio, Mercado livre, etc.) têm apoiado o desenvolvimento do e-commerce.


As categorias mais comuns que os latinos estão comprando online são moda (44%), viagens (43%), ingressos de eventos (41%), eletrônicos (37%) e livros/música (35%), porém as estratégias de e-commerce estão apoiando o desenvolvimento do e-commerce para alimentos e produtos de higiene e beleza, hoje 12% dos usuários de internet estão comprando alguma coisa online, mas o potencial ainda é enorme.

 

03 - Latinos preferem marcas locais
 
Agentes regionais e locais na América Latina estão superando os multinacionais, porque eles estão comprometidos com os produtos locais, que são mais relevantes para as compras de bens de consumo (alimentos e bebidas), porque os consumidores acreditam que essas marcas estão mais próximas de suas tradições, têm uma melhor compreensão de suas preferências e criam um sentimento de orgulho nacional, porém, quando Latinos pensam em bens duráveis (eletroeletrônicos, automóveis e produtos de saúde), as multinacionais ganham relevância por terem uma melhor qualidade e mais inovações disponíveis.

 

04 - Produtos saudáveis, estilo de vida não saudável
 
O estilo de vida atual não saudável está produzindo doenças crônicas, como obesidade ou diabetes nos latinos, agora estamos cientes destas estatísticas, por isso o foco do consumidor sobre a saúde e bem-estar aumentou - 56% estão tentando perder peso - o que está abrindo oportunidades para os fabricantes e varejistas a começarem a se envolver entre os consumidores e ajudá-los a cumprir suas metas saudáveis - 75% estão mudando sua dieta atual.

 

05 - Os consumidores estão envelhecendo
 
Apesar de sua população jovem, a América Latina não escapou da tendência global de envelhecimento da população. Indivíduos com mais de 65 anos representam agora 40 milhões (7%) e essa população irá aumentar para 83 milhões em 2020. Isso será acompanhado pelo aumento das condições de saúde desfavoráveis que aumentam a probabilidade de desenvolver doenças como diabetes, obesidade, câncer e doenças cardiovasculares, entre outros.

 

 

Fonte: Nielsen Brasil (Download do estudo completo AQUI)

Capa_Promo pai Prol Promo Armário de Prêmios - Dia dos Pais - Agroluizão e Prol Moveis de açoArmário de Prêmios - Promoção Agroferragens Luizão e Prol Móveis de Aço

Promoção Armário de Prêmios – Mês dos Pais

Quando chega agosto, temos cerca de duas semanas apenas para escolher o presente do dia dos pais, missão difícil visto que todo ano dá aquela sensação que não há presente no mundo que esteja à altura do seu pai, afinal é o seu pai, seu primeiro amigo, seu herói e exemplo de vida!

 

Mas para tentar chegar o mais perto da perfeição, nós da Prol tivemos uma super ideia e fizemos uma grande parceria com a Agroferragens Luizão para presentear pelo menos dois paizões, e pra cada um deles, um armário customizado e recheado de ferramentas que surpreenderia qualquer pai no mundo.

 

Promo Armário de Prêmios - Dia dos Pais - Agroluizão e Prol Moveis de aço

 
Já deu para imaginar a cara de felicidade do seu pai recebendo de presente uma ferramenta da Agroferragens Luizão e levando de bônus este Armário de Prêmios né!?


É a promoção Armário de Prêmios! São mais de 3 mil reais em ferramentas para você presentear o melhor pai do mundo...o seu!

 

Veja abaixo a lista de prêmios:




- 1 Armário de Aço Prol customizado (Duas portas de abrir, Fechadura com chave individual, Puxador em aço, em 1 dos lados prateleiras internas, em 1 dos lados painel vazado;




- 12 gancheiras para serem encaixadas no painel e configurado conforme a necessidade do cliente;




- 1 Jogo de ferramentas Vonder de 110 peças;




- Trena powerlock 5 metros (1 unidade);




- Estilete fatmax 25mm (1 unidade);




- Jogo chave combinada mm (1 unidade);




- Jogo para parafusar 31 (1 unidade);




- Martelo de unha c/cabo (1 unidade);




- Furadeira imp.550w 127v (1 unidade);




- Esmerilhad.ang.peq.127v (1 unidade);




- Disco abras.corte fino 4 (25 unidades);




- Arco de serra fixo tramontina (01 unidade);




- Jogo de chave precisão 06 peças (01 unidade);




- Martelo unha 25mm tramontina (01 unidade);




- Nível de alumio tramontina com base mag. 12” (01 unidade);




- Alicate pressão tramontina 10”;




- Jogo de chave combinada 06 a 22mm 11 peças (01 unidade);




- Jogo de chave fixa 06 a 22mm (01 unidade);




- Jogo de alicate tramontina para bijuteria 03 peças (01 unidade);




- Jogo de chave allen 05 a 10mm, chave de fenda tramontina 1/4x6” (06x150mm) cabo giratório (01 unidade);




- Chave de fenda tramontina 1/8x4” (03x100mm) cabo giratório (01 unidade);




- Chave de fenda tramontina 3/16x5” (05x150mm) cabo giratório (01 unidade);




- Chave de fenda tramontina 5/16x6” (08x150mm) cabo giratório (01 unidade);




- Kit de limpeza automotivo auto shine (1 unidade).

 

Armário de Prêmios - Promoção Agroferragens Luizão e Prol Móveis de Aço

 

Agora que você com certeza não quer ficar de fora dessa, saiba que para participar é bem fácil.


A cada R$200 reais em compras na Agroferragens Luizão, você preenche um cupom, deposita na urna e já estará concorrendo ao sorteio deste armário de aço Prol recheado de jogos e kits de ferramentas das marcas Tramontina, Tramontina Pro, Tramontina Master, Stanley, DeWalt, Vonder, Black+Decker e Autoshine.

 

Prol, para cada espaço a melhor solução & Agroferragens Luizão, só não tem o que não tem...juntas para ajudar você surpreender seu herói no mês dos pais!

* Promoção exclusiva para compras realizadas diretamente nas lojas:

 

UNIDADE RONDONÓPOLIS


Rua Fernando Corrêa da Costa, 1118

Centro - Rondonópolis - MT - CEP: 78700-100

Telefone: (66) 3439-2000



Horário de Funcionamento:

Seg. a Sex. das 07h00 às 18h00

Sáb. das 07h00 às 15h00

 

UNIDADE CUIABÁ


Av. Carmindo de Campos, 2387

Jardim Paulista - Cuiabá - MT - CEP: 78015-020

Telefone: (65) 3313-7000




Horário de Funcionamento:

Seg. a Sex. das 07h30 às 17h30

Sáb. das 07h30 às 12h00

 

Promoção válida durante todo o mês de agosto, sorteio será realizado no dia 05 de setembro de 2016.