6 Passos PDV do Futuro

Os 6 Fatores do PDV do Futuro.

Na abertura do WRC em Roma, palestra sobre design e tecnologia reforça importância do fator humano

 

 

Embora a tecnologia seja predominante nos estandes que ocupam grande parte do hotel Rome Cavalieri, em Roma, a abertura da edição 2015 do World Retail Congress mostrou que, na realidade, tecnologia pode ser ótima, desde que integre o fator humano. Sem isso, é um desperdício de tempo e dinheiro.

 

 

Essa é a opinião do jornalista John Ryan, editor das revistas Retail Week e Drapers, no Reino Unido, e editor europeu da revista americana de design de varejo VMSD. “Colocar tecnologia é fundamental, desde que exista humanidade na loja. Quem tem feito isso muito bem é o varejo de luxo”, afirma. É o caso da Burberry, que equipa todos os vendedores com iPads para que eles possam ter acesso a todas as informações sobre os produtos. “Mas o primeiro passo continua sendo o atendimento personalizado, que diferencia a marca da concorrência”, explica.

 

 

Em sua apresentação, Ryan trouxe inúmeros exemplos de lojas inspiradoras em todo o mundo, chegando a seis fatores essenciais para o que será o PDV do futuro:

 

 

1) Grandes com cara de pequenas

 
As lojas serão cada vez mais aconchegantes. Mesmo grandes lojas de departamentos buscam criar ambientes mais acolhedores, que estimulem o cliente a permanecer por mais tempo, experimentar produtos e comprar.

 

 

2) Tecnologia: invisível ou ao alcance dos dedos

 
Das duas, uma. Ou a tecnologia é tão sutil que passa despercebido, ou está muito aparente e convida o cliente a interagir. Ryan traz, como exemplo, a Pro-Direct, varejista inglesa de artigos esportivos. Há anos a empresa utiliza beacons nos PDVs e suas lojas mais avançadas são totalmente digitais. “Ao mesmo tempo em que os beacons estão escondidos para que o cliente foque os produtos e não a tecnologia, terminais touch screen permitem que os consumidores vejam, em um painel na loja, como ficarão as roupas e calçados que ele escolheu, em uma simulação digital que combina on-line e off-line”, explica. O resultado é um tíquete médio da ordem de £120 (R$ 600,00).

 

 

3) Os pequenos, cada vez mais especializados

 
Para o pequeno varejo, o caminho é a especialização, que agrega experiência e conhecimento ao processo de compra. Na Austrália, a T2 é uma rede de lojas de chá, que não apenas vende folhas embaladas em saquinhos: o ponto de venda é um lugar de experimentação, com um visual encantador, possibilidade de sentir o aroma de cada tipo de chá, preparação da bebida no local e a compra propriamente dita. “O design dos produtos e processos torna a compra muito mais interessante. É lúdico, estimulante e informativo”, comenta Ryan.

 

 

4) Produtos que interagem

 


A Internet das Coisas ainda é, em grande parte, uma promessa. Mas uma promessa muito boa. A Target abriu em San Francisco, nos Estados Unidos, a Open House, uma loja em que os produtos estão conectados e levam as informações aos celulares de quem transita pelo PDV. “A Open House não foi criada com o objetivo de venda, mas bem poderia ser. O engajamento com os clientes acontece na tela que o cliente leva consigo o tempo todo (o celular), uma alternativa mais simples, barata e tecnologicamente avançada que qualquer coisa que o varejista queira implementar”, alerta.

 

 

5) Mais com menos

 
Simplicidade pode ser um diferencial competitivo. A Aesop, marca de cosméticos da Natura com lojas na Europa e Austrália, é um exemplo de empresa que tem na embalagem dos produtos sua marca registrada. “As lojas são completamente diferentes umas das outras, mas o design do produto cria o ambiente e a consistência da marca”, afirma Ryan. Na Mast Brothers, em Londres e Nova York, chocolate é fabricado em um ambiente com cara de laboratório, minimalista.

 

 

6) Mais humanidade será o futuro

 
A loja física não tem impacto se não tiver gente. “É preciso injetar alguma humanidade no processo das lojas, o que é o contrário de colocar telas por toda parte”, diz Ryan. “Trata-se de trazer experiência por meio do contato do cliente com os produtos, usando tecnologia para eliminar o atrito das transações”, explica. “As pessoas, felizmente, gostam de visitar lojas e interagir com os produtos e outras pessoas. A tecnologia precisa vir a reboque disso”, completa.

 

 

Fonte: Portal No Varejo / Renato Muller

Superioridade Indiscutível, Preço Incomparável. (Vídeo 01 de 03)

Superioridade Indiscutível, Preço Incomparável é uma série que mostra por que a Prol é uma indústria referência em soluções de Exposição, Móveis de Aço e Sistemas de Armazenagem.

 

Serão três vídeos mostrando a qualidade dos produtos Prol.

Veja o primeiro vídeo:

 

Essa é a Prol, há 30 anos a melhor solução.

DEcoração Aço e madeira Foto: Divulgação Emile Garcin PropriétésFoto: Site Papo de Design

Na construção ou na decoração, o aço garante beleza e sofisticação.

Não é só na hora de construir que o aço pode fazer diferença, na decoração também. O estilo industrial é uma tendência no design.
A mistura do contemporâneo  com os objetos antigos, trazem à tona uma incrível transformação retrô que é chique e tem personalidade forte ao mesmo tempo.

 

Isso não se aplica só aos móveis, aplica-se também as vigas de aço à mostra, as escadas em tons de ferro e aço, às vezes até fabricada nesses materiais.
Sem contar objetos como máquinas de escrever, balanças e máquinas de costura, que deixam encanto no olhar de todos que passam por esses objetos.

 

Esta mansão, por exemplo, foi decorada com estilo Art Déco, foram instaladas portas de vidro e outros detalhes no estilo do século XIX. O detalhe é que ela era uma fábrica, depois transformada nessa casa luxuosa.

 

Seu teto de vidro repousa sobre uma estrutura de aço, feita pela oficina do arquiteto francês Gustave Eiffel (o da torre), no início do século 20. Os detalhes em aço também podem ser notados em outras partes da casa.

[caption id="attachment_1312" align="alignnone" width="620"]Foto: Divulgação Emile Garcin Propriétés Foto: Divulgação Emile Garcin Propriétés[/caption]

 

A casa foi toda decorada no estilo Art Déco. Fora

E o que parece mais interessante nisso tudo é que o aço permite um contraste encantador, tanto com peças mais sutis e delicadas, quanto com outras peças proporcionalmente rústicas, feitas de outras matérias-primas, como a madeira.

[caption id="attachment_1313" align="alignnone" width="627"]Foto: Site Papo de Design Foto: Site Papo de Design[/caption]

Portanto, não limite-se a decorar sua casa ou escritório com os pré-fabricados e pré-moldados. Crie, imagine, invente espaços únicos, com peças únicas e conte com a Prol, para fazer do seu ambiente, a sua obra de arte.

Customização de armários armario desgastadoarmario adesivadoArmário desconstuido

Customização de móveis de aço

Ano novo cara nova.

Os móveis de aço são desses objetos que acabam fazendo parte da vida da gente. Eles são tão duráveis que permanecem por décadas compondo os ambientes, mas chega um momento em que ele pode acabar passando despercebido e perdendo seu charme. Se mesmo assim, não der vontade de se desfazer deles, olha que boa saída: customizar. Assim, é possível agregar a eles o estilo perdido com o passar do tempo e a as inovações do ambiente.

 

Retirar a tintura
Assim ele permanece moderno, sem perder o charme. Pelo contrário, dessa forma ele passa a agregar ao resto da composição.

 

armario desgastado

 

Adesivar
É uma ótima saída para deixar o móvel, tão sério, descontraído e divertido.

 

armario adesivado

 

Recolorir e remodelar
Também é uma saída que pode quebrar a “frieza” desses móveis. Outra ideia interessante, é trocar o móvel de ambiente, deixando que ele faça parte de um espaço mais descompromissado, como um quarto, jardim, ou sala de estar.
E para remodelar, basta tirar algumas portas, abrir algumas frestras, que permitam que o móvel seja amplamente explorado.

 

Armário desconstuido

 

Fonte Imagens: Coisas da Gil

Arte, arquitetura e o aço.

Arte, arquitetura e o aço.

Em agosto foi lançado o livro de Edo Rocha: Arte, Arquitetura e o Aço. Nessa obra o autor retrata sua experiência enquanto artista plástico e arquiteto e a utilização do ferro, aço e aço inox em seus projetos, que também inspiraram outros artistas, arquitetos e designers.

 

No livro Edo Rocha faz uma breve reconstituição da história do ferro, desde o momento em que esse metal e o aço começaram a ser usados na arte e na arquitetura das mais admiráveis maneiras, acompanhando o processo de evolução do ser humano desde os seus primórdios.

 

O ferro e o aço encontram-se entre os raros materiais a evoluir em todos os níveis do trabalho humano, com lances sempre surpreendentes. Eles moldaram-se continuamente através dos tempos, gerando inúmeras aplicações ao longo da História.

 

Edu Rocha, em uma de suas entrevistas, demonstra um interesse muito mais que profissional pelo aço. É quase uma paixão. Sentimento que entendemos bem e gostaríamos de tentar refletir aqui o motivo de sua existência.

 

Vamos enumerar algumas das vantagens de trabalhar com o aço como recurso criativo e produtivo:

 

- Confiabilidade e precisão: O aço é uniforme, homogêneo, com limites de ruptura e módulo de elasticidade bem definidos.

 

- Livre de sujeiras: O aço não produz entulhos.

 

- Fácil de aplicar e montar: Sua instalação não exige a mobilização de outras obras pois suas peças são montadas de forma precisa e são fabricadas fora da obra. Além disso, é muito leve e suas dimensões podem ser elaboradas para ocupar o mínimo de área útil possível.

 

- Fácil de desmontar e reaproveitar: Sua flexibilidade permite seu transporte fácil para outros lugares e com mão de obra especializada, a retirada também é rápida. E o melhor, é 100% reciclável e pode passar por indefinida quantidade de reciclagens, sem perda de qualidade.

 

- Resistência: O aço é extremamente resistente à corrosão, e se pintado, podem durar ainda mais. Resiste também à tração, choques bruscos, tensões e compressão.
Essas vantagens podem ser notadas também no produto final, depois do acabamento, não só durante a fabricação de peças. Ou seja, aço é só vantagem, do começo ao fim e Eduardo Rocha está aí para atestar que quem confia no aço tem sempre à mão as melhores soluções.